Eu simplesmente me APAIXONEI por essa cantora Tunisiana.

Sua profundidade, sua mensagem e paixão são inspiradoras e sua beleza exótica torna tudo mais mágico…não consigo parar de ouvir a sua voz.

Espero que gostem…vou disponibilizar o link do disco caso queiram baixar:

 

Emel Mathluthi – My Word is Free (Minha palavra é livre)

 

Eu sou daqueles que são livres e nunca temem
Eu sou os segredos que nunca morrem
Eu sou a voz daqueles que não desistem
Eu sou o significado em meio ao caos

Eu sou o direito dos oprimidos
Isso é vendido por estes cães (pessoas que são cães)
Quem rouba das pessoas o seu pão de cada dia
E bate a porta na cara de ideais

Eu sou daqueles que são livres e nunca temem
Eu sou os segredos que nunca morrem
Eu sou a voz daqueles que não desistem
Eu sou livre e minha palavra é livre
Eu sou livre e minha palavra é livre
Não se esqueça do preço do pão
E não se esqueça a causa de nossa miséria
E não se esqueça quem nos traiu, nos momentos de necessidade

Eu sou daqueles que são livres e nunca temem
Eu sou os segredos que nunca morrem
Eu sou a voz daqueles que não desistem
Eu sou o segredo da rosa vermelha
Cuja cor os anos amei
Cujo cheiro pelos rios foi enterrado
E quem brotou como o fogo
Para convocar aqueles que estão livres

Eu sou uma estrela que brilha na escuridão
Eu sou um espinho na garganta do opressor
Eu sou um vento tocado pelo fogo
Eu sou a alma daqueles que não são esquecidos
Eu sou a voz dos que não morreram

Vamos fazer de argila o aço
E construir com ele um novo amor
Que se tranforma em pássaros
Que torna um país um  lar
Que se torna em vento e chuva

Eu sou todas as pessoas livres do mundo juntas
Eu sou como uma bala
Eu sou todas as pessoas livres do mundo juntos
Eu sou como uma bala

 

Nascida em Tunis (1982), Emel é compositora, guitarrista e cantora. Ela traz um som de marca nova e incrível música tunisiana. Ouvindo sua voz, podemos evocar Joan Baez, a Irmã Marie Keyrouz, e os libaneses diva Fairouz … Dotada de excelentes capacidades vocais, seu estilo cativante é às vezes lírico, com a rocha dominando forte, oriental e Trip Hop, aliando com muito tato, a música do Magrebe e no Médio Oriente mesclando com uma paleta de, ás vezes Tzigane, às vezes, flamenco, celta, Gnawa ou Ragga.
Autodidata, começou sua carreira artística aos 8 anos de idade no palco do pequeno anfiteatro no bairro de Ibn Sina, nos subúrbios de Tunis, onde viveu até a idade de 25 anos … Este contexto, arbitrariamente desencadeou nela a loucura e amor pela arte que nunca a abandonou mais tarde. Graças aos registros de seu pai, ela se banhava desde a sua infância na música clássica, e árabe, bem como música de protesto latino-americana. Antes da descoberta da cena árabe dissidente através dos ídolos dos movimentos revolucionários dos anos 70: o cego egípcio cantor Sheikh Imam e do cantor libanes Marcel Khalifa, Bob Dylan e Joan Baez, principalmente, que a influenciou muito.

Ela descobriu a alegria e prazer de cantar em torno da idade de 15 anos e ela não conseguia parar desde então. Depois de participar de uma banda de rock criada na faculdade, e experimentar as alegrias da fase em diferentes universidades, Ela escolheu o violão como companheiro de viagem e aproveitou todas as oportunidades para se apresentar em público e mostrar sua música. Emel Mathlouthi é rapidamente observada por suas performances cênicas e especialmente por sua capacidade de cantar e encantar o público.
“Dor e prazer se misturam para expandir e aumentar para finalmente serem gravados no coração para sempre … Suas palavras são a dor que dá origem ao prazer … A sua música parece emergir de um mundo transcendente … Um mundo cheio de humanidade, sensibilidade e sentimentos … Emel não só canta com sua voz, mas com seu corpo e suas feições têm sua própria língua também … “Incentivada por alguns amigos, ela começou a escrever em dialeto da Tunísia em 2004 e continua a compor nessa língua, bem como em árabe padrão e às vezes em francês. Após sua chegada na França, descobriu a dor e o sofrimento de estar longe e a nostálgia … Desde então, ela nunca pára de trabalhar no desenvolvimento de um estilo progressivo e inesperadamente novo onde uma canção é uma história com o intuito de mudar, enriquecida com a poesia espessa. Suas músicas são cheias de raiva, tristeza, amor, patriotismo de um país voltadas para a esquerda.Para as mãos do destino … cheio de esperança, esperança de liberdade e entrega … de fé, a desilusão, e os pensamentos sobre a existência e as fraquezas do ser humano em frente da loucura de seus companheiros. O sucesso foi «au rendez vous» e depois de grandes colaborações com Tricky, artistas franceses como Charlie Couture, Jean Jacques Milteau, Mei Tei Sho e uma seleção na primeira edição dos prêmios RMC-doualiya música em 2006, ela está se tornando um dos principais figuras da música árabe nos dias de hoje.

TrackList

  1. Houdou’on (Calm)      (05:32)
  2. Ma lkit (Not Found)      (03:58)
  3. Dhalem (Tyrant)      (03:56)
  4. Stranger      (04:13)
  5. Ya Tounes Ya Meskina      (Poor Tunisia)      (04:48)
  6. Ethnia Twila (The      Road is Long) (08:25)
  7. Kelmti Horra (My Word      is Free) (06:31)
  8. Dfina (Burrial)      (06:24)
  9. Hinama (When)      (05:29)
  10. Yezzi (Enough)      (07:16)
  11. A Linfini      (04:10)
  12. Libertà      (04:56)
  13. 14 janvier      (03:38)

Duration : 69:06 | Bitarte : 128 kBit/s | Year : 2012 | Size : 93 mb

http://www.4shared.com/rar/XJSH3T8k/file.html

* Fonte: SURAJ MUSIC

 

Anúncios